sábado, 5 de abril de 2008

Ponto de Mira


Muita parra e pouca uva, costuma dizer o povo português, um pouco a propósito de tudo e de nada. Ponto de Mira, título que alguém conseguiu desencantar do original Vantage Point, é um exemplar caso do bom uso a dar à expressão portuguesa. Uma história de acção banal e sem uma ideia original acerca de um atentado terrorista contra o presidente dos Estados Unidos da América, que se reveste de uma roupagem formal aparentemente muito entusiasmante, mas que rapidamente se esvai em fumo por se esgotar e por não ter, voltando ao provérbio, sumo para dar.
A ideia, apesar de não ser nova, é até interessante e começa por resultar. Somos confrontados com o assassinato do presidente, seguido de uma bomba, tudo durante uma cimeira em Espanha contra o terrorismo. A partir daí vamos revisitando a mesma cena através dos olhos de diversas personagens, sempre adicionando informações até chegarmos a saber realmente o que se passou e como se passou. Repetimos aqueles 23 minutos sob vários prismas, nem sempre coincidentes, e temos pena deste formato não ser usado numa história a sério, em vez de uma história de acção de ritmo rápido e sem mais fins que não o entertenimento óbvio e passageiro.
Somos os olhos de dois guarda-costas do presidente, um perturbado mas estóico Dennis Quaid e um Matthew Fox a anos luz da prestação de Lost. Passamos ainda pela visão da produtora de televisão - Sigourney Weaver -, do próprio presidente - William Hurt - e de um turista norte-americano que filma todo o evento - Forest Whitaker, numa pálida imagem do seu enorme talento, não por sua culpa, mas por clara incapacidade do filme. E vemos ainda a mesma cena pelos olhos do grupo terrorista, que se limita a ser uma soma de clichés e frases-feitas sobre o terrorismo muçulmano.
Nem com esta enorme constelação de estrelas, nem com o formato interessante - mas repetitivo -, nem com o ritmo rápido e próprio das séries de televisão, consegue Pete Travis arrancar de Ponto de Mira uma ideia verdadeiramente importante. Há apenas uma apropriar de estruturas que nos lembram séries como 24 e um entertenimento relativamente bem feito mas que nunca é capaz de empolgar ninguém. Excepção feita à perseguição de carro entre Quaid e Fox, obviamente. Tudo o resto, muita parra e pouca uva.
Título: Ponto de Mira
Realizador: Pete Travis
Elenco: Dennis Quaid, Matthew Fox, Forest Whitaker, Bruce McGill, Edgar Ramirez, Saïd Taghmaoui, Ayelet Zurer, Zoe Saldana, Sigourney Weaver, William Hurt, James LeGros, Eduardo Noriega, Richard T. Jones, Holt McCallany e Leonardo Nam
E.U.A., 2008.
Nota: 5/10

1 comentário:

matrioskas disse...

discordo totalmente. achei o filme muito bom e a perseguiçao de carros da se mesmo no momento em k a repetiçao dos 23 minutos ja começa a chatear..serve para quebrar a monotonia e dar uma nova velocidade á historia. No final, todos se cruzam e ficamos ate á ultima sem conseguir juntar todas as peças. para mim, valeu muito bem o dinheiro do bilhete e foi das poucas vezes em k o filme é melhor k o trailer.